A h2n e a LAMBDA (organização moçambicana que luta pelos direitos das minorias sexuais) concluíram recentemente, na cidade da Beira, um media training, para 20 jornalistas. A capacitação serviu para reforçar a estratégia de advocacia da LAMBDA, cujo objectivo é tornar a cobertura de notícias sobre LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros) mais precisa, informativa e equilibrada.

Tópicos relacionadas com saúde sexual e a desconstrução de estereótipos foram abordados. “Temos experiências de jornalistas que não abordam as questões de saúde sexual das minorias sexuais de forma informativa e equilibrada”, comentou Sérgio Fernando, jornalista do semanário Ikweli. Na ocasião, alguns jornalistas apontaram que quando se trata de minorias sexuais, muitas vezes, é difícil encontrar fontes para ajudar a esclarecer assuntos relacionados com a saúde sexual da comunidade LGBT. O estigma ligado à minorias sexuais torna mais difícil transmitir as mensagens importantes de saúde e adaptar essas informações ao contexto específico dos destinatários.

Entre outros aspectos de comunicação, o treinamento abordou o uso de termos linguísticos apropriados e que não reforçam as normas sociais negativas. “Uma vez que o discurso dos jornalistas influencia o público e ajuda a moldar a opinião pública, as palavras que usam para cobrir matérias de saúde sexual são particularmente importantes” disse Leodemila Zacarias, uma das Estagiárias da IREX, facilitando a formação. Em Julho, uma formação similar teve lugar em Maputo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *